Analgésicos e outras formas de não sentir

Foto: weheartit.com

Percebem como cada vez mais estamos sendo expostos a propagandas de analgésicos na televisão? Não sei vocês, mas eu não acho que remédio deveria ser tratado como sonho de consumo. Chegamos ao cúmulo de ouvir em algumas delas que um comprimido para dor de cabeça é o “melhor amigo” da pessoa, que é o “preferido do país”.

Nada contra o uso responsável de medicamentos. Mas, conseguem perceber o quanto a gente tem buscado ocultar os sintomas em vez de buscar as causas e trata-las? Isso é muito sério. Toda dor vem para alertar sobre algo e o que estamos fazendo diante dela? Tapando os ouvidos.

Percebem como também fazemos isso com nossas dores emocionais? Não queremos sentir tristeza, raiva, remorso. Para nós, felicidade plena é o que importa. Olha, quem sou eu para dizer alguma coisa, mas o que tenho aprendido ao longo da vida – a duras penas muitas vezes – é que a dor ensina.

Não tenho a pretensão de fazer nenhuma apologia ao sofrimento. O que quero dizer é que se existem sensações além da alegria, elas existem por algum motivo. Assim como a dor física nos alerta sobre algo que anda errado com nosso organismo, a dor emocional vem para te fazer lembrar que situações ou pessoas estão te fazendo mal. Às vezes até você tem sido seu (ua) próprio (a) vilão (ã).

A gente foge, sabe? Porque é bem mais fácil se esconder atrás de um novo amor do que reavaliar os motivos pelos quais o anterior foi frustrante. Sair e beber até não lembrar mais nosso nome parece muitas vezes ser a forma ideal de fazer sumir a sensação de vazio vinda de uma rotina exaustiva e sem sentido. Usar as redes sociais para promover uma imagem de felicidade é a fórmula ideal para esconder a saudade e o luto.

Confessem, vocês já fizeram algo do tipo, não? Pois é, eu também! Resolveu? Nem um pouco. E eu vou te dizer o provável motivo: a gente precisava mesmo sentir tudo aquilo. Às vezes, apenas a dor do abandono ou a frustração dos esforços não bem-sucedidos vão nos mostrar a forma correta de nos relacionar com o outro. E o vazio e tédio originados de trabalhos sem sentido só serão amenizados com a conscientização de que é preciso mudar, buscar novos desafios, viver nossos sonhos. Eu nem preciso dizer que fotos nas redes sociais não trazem sorrisos aos nossos rostos, preciso? Antes de postar uma foto se olhe no espelho. Antes de se olhar no espelho olhe para dentro de si. Lá está a pergunta, a resposta e a sensação de paz que só pode vir do amor próprio muito bem construído.

Por favor, não caiam na falsa promessa dos analgésicos da tv. Eles escondem suas dores, mas não tratam suas causas. Ei, se puderem não escondam o que sentem. Sentir é importante e pode ajudar a não cometerem os mesmos erros. Vai doer, mas não para sempre. Confia em mim.

Facebook Comments
4 comentários Adicione o seu
  1. Fiquei imaginando em lia … você linda como sempre sentada em banco em a um lindo jardim rodeada de pessoas que se deleitavam de suas doces, gentis e sabia palavras de sua leitura.
    Parabéns! Vou procurar outra palavra no dicionário, perai!
    Achei! Prolfaça pelo excelente texto! rsrsrs
    Me enriqueceu muito! Ameii!
    Gratidão!

  2. Oi girassol, como vai você?
    Eu tô aqui tentando escrever um comentário que te faça sentir o que eu senti lendo, porém, não vou conseguir.
    Sabe aquele texto que te coloca no colo, acarinha os cabelos e sussurra dizendo que tudo vai ficar bem?
    É, girassol, foi isso que você acabou de fazer.
    Amo você.

  3. Que texto maravilhoso! É bom saber que não sou a única que bate na tecla do “precisamos sentir!”. Só somos o que somos por conta das aprendizagens que nossos sentimentos nos trouxeram. Amei! Parabéns pelo texto!

    1. Oi Carol! Obrigada por visitar o Blog Coisinhas! <3 Eu concordo com você, temos que sentir! Temos que entrar em contato com nosso interior e não ter medo de viver as dores, pois elas transformam e ensinam. Beijos no coração!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *