Eu parei de escrever

Eu parei de escrever… Não parei de escrever pelos erros de ortografia, tão pouco pela falta de inspiração. Parei de escrever para tentar me proteger de você.   Não consigo mais pegar uma caneta e escrever sentimentos, você me deixou confusa. E, nesse caminho perdido ao qual me encontro, vejo somente pedras pontiagudas que –…

Continue lendo

Ao acaso, descobri a serendipidade

Leia ouvindo Angela, do The Lumineers Ouvi diversas vezes aquela música que diz em um trecho “o acaso vai me proteger quando eu andar distraído”, mas nunca entendi a referência, o que seria andar distraído e como seria a forma do acaso me proteger. Até que em uma aula de português, fazendo a releitura de…

Continue lendo

Sobre a pequenez da imensidão

Sou concha reclusa em mim Mas quem se dispõe a ouvir escuta o mar. É preciso silenciar pra ter voz ou pra dizer o que realmente habita o íntimo em nós. Não é qualquer um que o faz Em um mundo de ruídos ouvir o grito da paz. Eu sou colcha porque estou coberta, não…

Continue lendo

Meu trevo

Que tal ler ouvindo Do right woman, do right man, da incrível Aretha Franklin? Poderia dizer a coisa mais idiota, mas como eu queria ter você por perto, aqui, agora! Me sinto bem passando poucos minutos perto de você, ou até mesmo conversando. Em pouco tempo eu pude te ter como minha sorte. Dizem que um…

Continue lendo

Eu sou palavra, verso e rabisco

Você pode ler esse texto ouvindo Somewhere Only We Know, da Lily Allen. Eu sou intensa, sou cheia de detalhes. Para mim, a unanimidade da vida sempre será incerta. Eu dou o meu máximo, e sempre chego onde quero chegar, mesmo que ninguém acredite ou coloque areia fofa em meus planos. Eu sou complexa demais. A…

Continue lendo